sábado, 29 de dezembro de 2012

Há que pôr o Cu a cheirar bem!










 O Cume da Montanha

No cume daquela serra,
eu plantei uma roseira.
O mato no cume cresce,
a rosa no cume cheira.

Na hora do entardecer,
tudo no cume aparece.
Vaga-lumes no cume brilham,
cobra no cume aparece.

Quando cai a chuva fina,
salpicos no cume caem.
Lagartos no cume entram,
abelhas no cume saem.

Mas depois que a chuva cessa,
no cume volta a alegria.
Voltando a brilhar depressa,
o sol que no cume ardia.

2 comentários:

TINTINAINE disse...

Há gente com jeito para estas coisas!

Observador disse...

Gostei, Amigo Verde.
Aproveito para lhe desejar e aos seus Familiares
Um Feliz 2013
Um abraço
Virgilio