sábado, 25 de setembro de 2010

Ciência tenta explicar o milagre de Moisés...

Um vento de cem quilómetros por hora permitiria a separação das águas, mas não no mar Vermelho.
Segundo a Bíblia, Moisés ergueu as mãos para o mar Vermelho e durante toda a noite Deus separou as águas com um forte vento de leste para permitir a fuga do povo hebreu do Egipto para a Palestina. De manhã, quando o exército do faraó os tenta seguir, foi engolido pelas águas. Agora, uma nova simulação de computador concluiu que um fenómeno natural pode realmente ter permitido este milagre, mas não no mar Vermelho.
"As pessoas ficaram fascinadas com esta história do Livro do Êxodo, perguntando-se se tem origem em factos históricos", disse o investigador do Centro Nacional para a Pesquisa Atmosférica norte-americano, Carl Drews. "O que este estudo mostra é que a descrição da separação das águas tem por base as leis da física", acrescentou o principal autor do estudo publicado online no jornal científico PloS ONE.
Com o recurso a antigos mapas topográficos, registos arqueológicos e modernas medições de satélite, a equipa encontrou um possível local para a travessia: não no mar Vermelho, onde normalmente se localiza o acontecimento de há três mil anos, mas numa área no delta do Nilo, onde aparentemente um ramo do rio inundava o antigo lago de Tanis.
Aí, um vento de leste a soprar a uma velocidade de um pouco mais de cem quilómetros por hora, durante oito horas, teria permitido afastar as águas (com 1,8 metros de profundidade). Uma faixa de terra lamacenta com entre 3,2 e quatro quilómetros de comprimento e 4,8 quilómetros de largura teria ficado a descoberto durante quatro horas, com duas paredes de água de ambos os lados. Assim que o vento parasse, o caminho teria ficado alagado.
"A simulação corresponde de forma bastante rigorosa com o relato do Êxodo", indicou Drews, no texto que acompanha as conclusões do estudo. "A separação das águas pode ser percebida através da dinâmica de fluidos. O vento move a água de acordo com as leis da física, criando uma passagem segura com a água nos dois lados e depois permitindo uma rápida inundação", acrescentou.
Este tipo de vento, capaz de diminuir as águas num determinado local e empurrá-las para outro, já foi documentado várias vezes - aconteceu, por exemplo, no Lago Erie perto de Toledo, no Ohio. Em pelo menos uma ocasião foi também detectado no delta do Nilo no século XIX, quando as águas terão recuado cerca de 1500 metros.
Uma anterior simulação de computador, feita por cientistas russos, tinha estabelecido que seriam necessários ventos de nordeste de pelo menos 120 quilómetros por hora para criar uma passagem no mar Vermelho, perto do actual Canal do Suez. Mas Drews e a sua equipa duvidam que fosse possível os refugiados caminharem com ventos tão fortes, explicando que o solo tinha de ser totalmente liso para permitir que a água recuasse em apenas 12 horas.
O novo estudo, que contou com a colaboração da Universidade de Colorado, é parte de uma investigação maior sobre o impacto dos ventos na profundidade das águas. Drews espera que, ao dar esta nova localização para o milagre de Moisés, possa ajudar os arqueólogos a descobrir provas concretas deste evento.
O meu comentário:
Os “embrulhadores ou esbulhadores” e não cientistas como vulgarmente se diz, da história antiga ou mesmo contemporânea, arranjam teses e comparações sobre assuntos demasiado sérios, para contemplarem os leitores das suas obras ou pesquisas científicas, de forma tão audaz, de esperteza tão cínica que, pensam que só eles, nas conclusões ou frustrações é que têm o devido mérito e valor, esquecendo que as outras pessoas também são possuídas de raciocínio e, portanto, capazes de ombrear como eles em aventuras e descobertas de intrínseca fealdade.
Quanto a mim, humilde analfabeto em comparação com tais doutos cientistas, falta-me, se calhar, a visão para atingir aquilo que eles pensam que são capazes e que a mim me transcende.
Contudo, deixem-me dirimir certas questões que me parecem muito opacas:
Será que a capacidade do vento, mesmo ciclónico, teria deixado o mar enxuto como uma eira, para se passar sem molhar os pés?
Naquela data, estaria a ciência avançada no sentido de se descobrir a aproximação de tais factos? E, se uns sabiam e se aproveitaram dessa fase, porque razão os outros não eram possuidores desse conhecimento?
A explicação é difícil, mas se tal aconteceu sem a mão de Deus, porque não vemos hoje, coisas do género, definidas e com horas acertadas pelos homens da ciência que possuem os melhores e mais sofisticados aparelhos de detecção?
Deixo-vos aqui o desafio para os vossos comentários mas, inclino-me mais para o poder divino do que para a obra científica do ser humano. Reconheço o avanço enorme das tecnologias e aceito a forma de pensar de cada um, mas tal como eles, tenho o pleno direito de discordar e de não ficar convencido…

1 comentário:

TINTINAINE disse...

Já estava admirado com a falta dos teus escritos.
Escolheste um bom tema que tem desafiado a inteligência de muito boa gente que não acredita nos dogmas da religião católica e bem gostaria de provar, por meios científicos, o modo como aconteceu aquele milagre.
O mesmo tem sido tentado quanto ao Santo Sudário, mas até hoje nada de muito compreensível foi conseguido.
Enfim, cada um com as suas crenças e as suas teimosias!